terça-feira, 23 de janeiro de 2018

20ª Meia maratona Manuela Machado - a lebre e a tartaruga




Domingo
21.janeiro.2018
Mike e Pedrinho, arrancam ás 07:59 rumo a Viana do Castelo.
Sim.
Só estes dois Happyruns arrancaram pois, Teresinha ainda não treina, Leninha muito pouco e Diogo idem aspas, aspas.
Voltem depressa porque nos fazem falta.
Já o ano passado estávamos inscritos a esta prova e acabamos por não comparecer devido a uma arreliadora gripe.
Este ano, não faltei
O que nos esperava:

- 20ª Meia maratona Manuela Machado
- 21,1 Km

Para quem não sabe, Manuela Machado é de Viana, foi uma grande atleta que, em representação do Sporting Clube de Braga, conquistou a medalha de ouro na maratona no Campeonato do Mundo em 1995 e medalhas de ouro, igualmente na maratona, nos campeonatos da Europa de 1994 e 1998
Insiro Viana no GPS e temos: hora de chegada: 08:42
Ok.
Tamos bem.
Já estamos na A28 e Pedrinho insiste: "Hoje vou fazer a prova contigo. Vou ser a tua lebre"
Eu, já a ver o "filme", calmamente tento-o convencer a não o fazer.
"Não, não faças isso, vai no teu ritmo que eu sou uma tartaruga para ti e, não vai dar"
"Não, hoje vou contigo, vou rolar para o próximo trail de domingo que é de 50 km", insistia ele"
Pedrinho, um atleta que, na meia maratona vale 1 hora e 50 minutos ia acompanhar um "pastelão" que faz, no mínimo, mais 10 minutos que ele!
Uma chuva miudinha nos acompanha na viagem.
De tempos a tempos, lá insistia com ele, "não vás comigo, segue no teu passo"
Mas, o homem estava teimoso e não largava a ideia de me acompanhar.
Ao chegarmos a Viana uma carga de água nos espera.
Ui,....... se ficar sempre assim vamos sair daqui uns pintainhos !
A verdade é que, mal estacionamos o bote no parque junto ao jardim da Marina, passamos só a ter aquela morrinha "molha-tolos".
Bom, lá fomos marginal adiante até ao Centro Cultural de Viana para levantar os dorsais.
Lá, tivemos os primeiros encontros,

                                            Os Happyruns com Silvério e um seu amigo


                                                            agora com o Tiago Martins

Atravessamos a rua e fomos fazer a compra da praxe: bolas de Berlim
Pois é.
Viana é bem conhecida pelas famosas bolas de Berlim do Natário.
Agora quem lidera a empresa é o Zé que, tempos idos, jogou Hóquei em patins comigo no Infante de Sagres.
O movimento na confeitaria era mais que muito !
Pedrinho bebe um café e come uma bola.
Mike, não quis nada com cremes áquela hora e só as mandou embrulhar para trazer para casa.


                                       Aqui estão as famosas bolas de Berlim do Zé Natário

Lá voltamos ao bote (carregados com as ditas cujas bolas) e, toca a preparar para a prova.
Aquecimento na marginal (é ótimo para treinar) e já estamos a meia hora da partida.
Estavam aí umas seis marquesas com as respetivas massagistas prontas para "aquecer" as perninhas dos atletas.
Claro, arrastei logo o Pedrinho para tratarmos das nossas perninhas,


                                       Mike a sentir as perninhas a ficarem levezinhas



                                        A cara de satisfação do Pedrinho não engana

Pronto.
Depois disto lá fomos para a caixa de partida.
A multidão começa a apertar na caixa.


                                   Já na caixa de partida a escassos minutos da largada

Como "quem não quer a coisa", numa última tentativa, digo ao Pedrinho, "vai no teu passo e não penses em mim"
Ele, teimoso, teimoso, ri-se e diz, "não, hoje vou contigo"
10H30
Tiro de partida.
Aí vamos nós
Logo, logo após a partida, ao meu lado direito, uma atleta estatela-se no chão!
Só tenho tempo de olhar por cima do ombro e, já a não vejo tantos eram os atletas.
Estamos na Avenida Marginal,

                       
                              Aqui estamos nós, logo, logo, após a arrancada

Pedrinho já começa o seu "show".
Impressionante a quantidade de atletas que ele conhece!
Ao passarem por nós (claro, com esta tartaruga como companhia), todos o cumprimentavam.
"Então, não vens? Que se passa?"
Ele ria-se e dizia. "não, hoje vou na caminhada"
Pois.
Mais um e, outro e, outro.
Ah, também conheço alguns.
Já estamos na rotunda do Hotel Axis (já estão 2 km passados) e sinto que estou a ir depressa demais para quem vai fazer 21 km
Logo aí começamos a subir.
Passa o Silvério, o Mário Soares, Maria Ricardo  e o Tiago por mim.
Os cumprimentos do costume.
Ouço atrás de mim: "olha vai ali o gajo da Happyrun"
As nossas camisolas não enganam.
Estamos no nó da auto estrada e estamos por baixo da A28
Aí, um grande grupo de homens, adeptos da modalidade do enche o copo e bebe, lá estavam com as mãos ocupadas com uma bifana e um copo.
Riam-se para nós, davam vivas e "entornavam"
Pedrinho grita para eles: "quando vier para baixo quero uma cerveja fresquinha"
Siga.
Estamos no km 4,5
Agora é sempre a subir.
Começo a sentir os meus intestinos ás voltas.
Ai,....ai,...calminha que não quero problemas com casas de banho agora.
Passamos Portuzelo (km 7) e vamos tendo umas subidas "jeitosas".
Pedrinho não se calava.
Naquele estilo descontraído, de quem ia a passear (pudera, ia ao meu ritmo), de cada vez que aparecia um aglomerado de pessoas a ver (e eram muitas), lá falava com elas "então, não batem palmas? Toca a aquecer as mãos, vamos lá"
E, não era que elas batiam?
Um até diz:" Oh pá, olha que bater palmas durante hora e meia não é fácil"
De quando em vez incentivava-me e, eu nem lhe respondia.
"Mete um gel", dizia-me Pedrinho.
"Não posso, ainda me dá a volta aos intestinos"
Passamos Serreleis (km 8,5) e já estamos em Cardielos.
"Tá bem, tá bem, isto sobe bem, sobe", pensava eu.
Aí (km 10), voltamos.
Bom, agora vou beneficiar das descidas.
Abastecimento.
Como já tinha feito anteriormente, Pedrinho arranca uns metros á minha frente e "saca" duas garrafas de água.
Uma par mim e outar para ele.
Até lhe digo: "pareces meu pai, pá"
"Tu é que podias ser meu pai", diz ele.
Alcançamos uma jovenzinha atleta e, Pedrinho diz-lhe:"olha não pises tanto o chão que te cansas mais"
Vai ali a conversar com ela sobre a passada uns metros largos e eu só pensava "isto não custa nada pra ele e eu já vou aqui com grande esforço"
Ai que "raiva" que me fazes !
E, agora temos mais!
Cada vez que apanhava um atleta "morto" a andar, puxava por ele. "Vamos toca a andar, não páres"
E, não é que eles começavam a correr?
Eu, só pensava: "olha, mais um que eu já o tinha ultrapassado e, agora vou levar com ele, ainda vai terminar á minha frente"
Um incentivador "profissional" este Pedrinho.
km 13
Apanhamos uma boa descida (não esquecer que tinha sido uma boa subida) e, com o incentivo dele, acelero.
Enfio um gel para o "bucho"
Foram dois kilómetros a uma média aproximada de 05:20
Para mim, "era dar gás", para ele, era treino.
Siga.
Mais uma subida, curta mas ingreme e começo a ir-me abaixo.
Lembrei-me logo que últimamente não tenho treinado o suficiente e, aqui não há milagres.
Cada vez mais público na estrada.
15,8 km e já estamos novamente debaixo da A28
Aí, Pedrinho grita para o tal grupo de homens: "então a minha cerveja? Onde está'"
"Aqui, aqui", grita um estendendo-lhe um copo.
Ele pára e bebe.
Subida para o nó da auto estrada e, já estava a ficar "morto"
Apanha mais um a andar (Hugo nas costas) e diz-lhe" Oh Hugo, vamos lá toca a correr"
"Dói-me tudo", diz ele
"Então se te dói tudo, esquece, já nada te vai doer mais, toca a correr"
E, ele lá arranca.
"Mais um para eu levar com ele", penso eu.😒


                                                  Pedrinho ao km 17 em passo de treino


                                        Mike com cara de disfarce (já me ia a custar)

Rotunda do Hotel Axis
Já falta pouco.
Já estamos a ver a antiga ponte férrea de Viana e temos que a passar por baixo



                                      Os dois amigos (a lebre e a tartaruga)

Nesta foto Pedrinho grita para o fotógrafo. "Como te chamas?
Ele lá responde, "António Sousa" (assim já sabe onde ir "sacar" a foto)
Avenida Marginal
Km 20
Estamos a passar pela meta á nossa esquerda, viro a cara para a direita para não ver pois, psicologicamente é horrível passar pela meta, ir lá ao fundo e voltar.
Mas, tem de ser.
Já estou meio "morto" e ele na maior a cumprimentar aqueles que já tinham acabado a prova e iam embora.
Últimos metros e, ...... já tá.


                                                                É isso. Já tá.

Olho para o relógio e, até fiquei admirado comigo; 2 horas e 4 e tal
Oh, como vinha "morto" até pensava que tinha feito pior tempo.
Tiro o chip da sapatilha, recebo o saco final, medalha, como uma banana e, voltamos para o nosso bote.
Pedrinho, numa de sinceridade, diz-me. "olha, vou-te dizer uma coisa: cansei-me mais a vir devagar do que a correr normalmente"
A última foto,
Tás a ver?
Eu bem te dizia para seguires no teu ritmo pois é aquele a que estás habituado.
"E, ainda bebeste aquela cervejita", digo-lhe eu.
"Não era cerveja, era vinho tinto", diz ele.


                              Aqui estamos nós com o rio Lima por fundo



                                            A medalha conquistada com muito suor

Mudança de roupa, pagamento do parque, telefonema para a Teresinha e, rumar a casa.

Finalmentes,

O meu relógio marcou 21,27 km de prova
Terminaram a prova 2473 atletas
Mike, tempo de 02:04:54, lugar 2266 da geral e no seu escalão (M55), lugar 194 em 218
Pedrinho, tempo de 02:04:52, lugar 2265 da geral e, no seu escalão (M40), lugar 497 em 516

Agora os nossos amigos,
Tiago Martins, tempo de 01:54:06, lugar 2148 da geral e no seu escalão (M45) lugar 336 em 406
Silvério Pinto, tempo de 01:43:34, lugar 1476 da geral e no seu escalão (M50), lugar 186 em 308
Maria Ricardo, tempo de 02:00:00, lugar 2183 da geral e no seu escalão (F40), lugar 123 em 188
Rosa Costa, tempo de 02:18:44, lugar 2376 na geral e no seu escalão (F40), lugar 178 em 188

Vencedor masculino: Miguel ribeiro com o tempo de 01:06:12
Vencedora feminina: Filomena Costa com o tempo de 01:18:40

De realçar que Tiago Martins bateu o seu record pessoal. Parabéns Tiago.
Para terminar, uma sugestão: Pedrinho a incentivador do pelotão.
Funcionava mesmo.
Os "mortos" ressuscitam com ele!

E pronto.
É tudo
Bjs e abraços
MIKE
2018.janeiro























quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

24ª S. Silvestre do Porto - teminar 2017 em beleza



Pedrinho não se inscreveu.
Teresinha, inscrita mas, com gripe forte, não treina  á quinze dias, não tinha condições para correr.
Diogo, inscrito mas, impossibilitado de ir também por se encontrar a trabalhar.
Quem restava da Happyrun?
Leninha e Mike.
Pois.
Então, com a equipa "esfrangalhada", lá teriam que ser estes dois elementos a dignificar o nome da equipa.
- Sábado
- 30 de dezembro.2017
- 24ª S. Silvestre do Porto
- 18 horas
- 10K
Assim, lá teríamos que nos juntar aos milhares que anualmente percorrem as ruas da baixa do Porto para a última prova de 2017
Arrancamos ás 16:00 de casa e lá fomos rumo á baixa do Porto pois, com tantos milhares já não seria fácil arranjar lugar para o "bote" nas imediações da partida.
Íamos s descer a Rua de Camões, com os olhinhos bem abertos, lugares todos repletos e, todo o mundo em passo de "caracol" á procura de lugar.
Eis que, vindo do nada, um bote estacionado dá pisca (foi a Leninha a "descobridora").
Eureka!
Eureka!
Vais sair?
Não queria acreditar mas, era verdade mesmo.
Pronto, o principal problema já estava solucionado.
Como ainda era cedo, lá ficamos no carro a "fazer horas".
Ás 17H00, já equipados a rigor, lá saímos da "toca".
Ui......., que frio!
O melhor é irmos já a correr até á Avenida dos Aliados senão ainda gelamos.
Ruas já todas cortados e, agora ocupadas só por atletas em movimento.
Lá chegados, já tínhamos subido a temperatura corporal o que nos dava mais conforto (estavam 15 graus).
Então, a primeira foto;

                           Os representantes da Happyrun prontos para mais uma S. Silvestre

Bom, vamos aquecer mais que já estou a ficar com frio.
Lá fomos.
Caminhamos para a nossa caixa de partida e já lá estamos.
Como tem sido hábito últimamente, eramos "mais que as mães"
Como divulgou o João Lima na sua página, a S. Silvestre do Porto é a segunda maior prova do país com mil ou mais de mil atletas a concluírem prova.
E, este ano não fugiu á regra.
Ah, aqui vai uma imagem "do alto" da partida só para terem uma mera perceção de quantos éramos,


                                            Então, sempre dá para ver quantos éramos ?

5...,4,...3,...2,...1,... partida
E, aí vamos nós.


                 Mike, todo compenetrado, mesmo em frente á estação de S. Bento

Muita gente a apoiar, mesmo muita e, já estamos na subida para a Ponte D. Luiz.
Temperatura ideal para correr embora, por vezes, fosse difícil fazê-lo, tantos eram os atletas a ocuparem as estreitas ruas do Porto.
Rua D. João IV, sempre a subir e já na Rua da Alegria sou ultrapassado pelo Silvério.
Siga.
Marquês (muita gente aí), Rua da Constituição e já estamos a acelerar.
Rua de Camões abaixo e, aí é preciso ter muito cuidado para não cair porque desce bem.
Virar para a Praça da República (estamos nos 5 km), abastecimento e Rua da Boavista.
Meter sexta velocidade e deixar ir.
Sentia-me bem e apertei um pouco.
Chegados á Rotunda da Boavista voltamos, e aí senti uma pequena quebra.
Respira fundo e vai.
Ok.
Liceu D. Manuel II (passei aqui sete anos da minha juventude), cuidado com os paralelos molhados e siga.
Já estou a recuperar.
Serafim ultrapassa-me.
Pois.
Túnel de Ceuta e, a última subida custou-me mesmo mas, tá quase.
Avenida dos Aliados até lá ao fundo, volta e já vejo a meta lá no cimo.
Último esforço e, pronto, já tá.


 
                                        A terminar a S. Silvestre num último esforço.

Leninha também terminaria,


                                                           Uff, já acabou

Sabia que tinha aqui vários amigos a correr mas, além do Silvério e Serafim (que passaram por mim durante a prova), não vi mais ninguém.
Finalmentes,
Terminaram a prova 8258 atletas
- Mike, tempo de 00:56:19, lugar 2620 da geral e, no seu escalão (M60), lugar 81 em 257
- Leninha, tempo de 01:10:04, lugar 5960 da geral e, no seu escalão (F55), lugar 20 em 53
Agora os nossos amigos,
Silvério Pinto, tempo de 00:49:09, lugar 1396 da geral e no seu escalão (M50), lugar 126 em 513
Serafim Ramos, tempo de 00:47:28, lugar 1342 da geral e no seu escalão (M55), lugar 68 em 299
Tiago Martins, tempo de 00:53:59, lugar 2201 na geral e no seu escalão (M45), lugar 286 em 837
José Esperança, tempo de 01:16:18, lugar 7912 na geral e no seu escalão (M60), lugar 248 em 257
Pedro Esperança, tempo de 00:55:35, lugar 2700 na geral e no seu escalão (M40), lugar 501 em 1195
Helena Esperança, tempo de 01.18:51, lugar 8024 na geral e no seu escalão (F40), lugar 367 em 387
Américo Martins, tempo de 00:56:02, lugar 3335 da geral e no seu escalão (M409, lugar 618 em 1195
Vencedores,
- Masculino: Rui Pedro Silva com o tempo de 00:29:56
- Feminino: Salomé Rocha com o tempo de 00:34.35
O meu relógio marcou 10,35 Km de prova
Curiosidadades:
- este ano fiz menos 2 minutos e 30 segundos que o ano passado! 👍
- Rui Pedro Silva com esta vitória em 2018 é o recordista com oito vitórias, seis das quais consecutivas
- a primeira S. Silvestre do Porto foi em 1994 tendo terminado 391 atletas com José Regalo a vencedor absoluto e Mónica Gama vencedora feminina
E pronto.
É tudo.
Ano terminado em beleza.
Um Bom Ano 2018 para todos e, para os que ainda não conseguiram encontrar o prazer na corrida, vá lá, ......... não custa nada e, passam a fazer-nos companhia nesta maravilhosa aventura de "papar" kilómetros
Bjs e abraços
MIKE
2017.dezembro




segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

60ª Volta a Paranhos . Uma idade bonita !




É verdade.
Quem diria?
A Volta a Paranhos já com 60 anos de vida!
Como é possível?
Pois é.
Esta Volta a Paranhos é mesmo fruto de uma organização popular.
São os "doentes" do velhinho Salgueiral que deitam mãos á obra e conseguem pôr de pé esta prova que, segundo rezam as crónicas, é a mais antiga de Portugal.
Então, estamos a falar de quê?

- 60ª Volta a Paranhos
- 8.dezembro.2017
- 10K
- 10H45
- 12 graus de temperatura

E, prova realizada sempre no dia 8 de dezembro.
Bom, estavam quatro Happyrun inscritos para a prova mas, á última hora, Leninha não pôde comparecer pois o tratamento aos dentes lhe tirou essa possibilidade.
Então, Teresinha, Mike e Pedrinho lá arrancaram a sua traineira ás 09H20 rumo a Paranhos.
O frio estava lá e a chuva (morrinhenta) também.
Atracamos no mesmo local (entre o ISEP e a escola de Biotecnologia) e logo encontramos aí o Silvério que trazia um amigo novo nestas andanças.
Rumamos até á reta da meta e, claro, mais encontros.


                             Os Happyrun com uns amigos dos treinos de quarta feira na Maia

Estava frio (12 graus) e, vamos lá aquecer que já estou a sentir as pernas geladas.
Lá fomos para a caixa de partida para mais uma prova.
Então, o que nos esperava?



                                    Aqui está o itinerário desta 60ª Volta a Paranhos

Desta vez eram "só" 10K.
É isso, "sò" é mesmo o termo exato pois, como agora andamos em treinos longos, 10K é mesmo muito curto.
10H45, tiro de partida e aí vamos nós.
Cuidado, cuidadinho que a reta de meta é em paralelepípedo (muito polido) e, todo molhado, há que pôr a trabalhar o ABS para não termos encontros imediatos com o chão.
Difícil começo, estrada estreita para tantos corredores, passo lento mas, lá fomos.
Já estamos a atravessar a Via de Cintura interna, sede do Salgueiros (com música em altos berros) , ISEP e novamente a passar pela reta da meta.
Agora, com 3 km de corrida já "circulamos" mais á vontade.


                                                           E, aí vamos nós a curvar 😜


                        Pedrinho não brinca em serviço (ritmo forte como sempre)

Ora aqui temos a mais íngreme subida desta prova ( Rua Manuel Laranjeiro), sobe mesmo bem e já estamos em Costa Cabral.
Bom, a partir daqui aceleramos, ou seja, velocidade de cruzeiro metida.
A meio da Rua da Constituição temos a água fornecida pelos bombeiros (mais uns carolas a ajudarem o Salgueiral), Rua Serpa Pinto sempre a descer até ao canil.
Iamos mesmo bem, á vontade e "depressinha".
Nova subida (Rua S. Dinis) até lá acima ao cinema Vale Formoso.
Ok.
Feito.
Descer Rua Vale Formoso até ao colégio Luso Francês, virar direita (mais uma subidinha) e, último km até á meta.
Nova aceleração (6ª velocidade) para terminar a passar uns tantos (dá cá um gozo 😏)
E pronto.
Já tá.
Muito rápido mesmo.
Como disse atrás, até quase que nem dá para suar (agora estou armado em atleta de elite😀)
Desta vez a organização no final esteve excelente (o ano passado foi um bocado atrapalhada) mas, temos sempre de dar um "desconto" pois são carolas que conseguem pôr de pé uma prova já tão "enorme" como esta.

Finalmentes,
Concluíram a prova 2200 atletas
Teresinha, tempo de 00:53:34, lugar 1518 na geral e no seu escalão (VET55F), lugar 4 em 19
Mike, tempo de 00:53:34, lugar 1519 na geral e no seu escalão (VET60), lugar 99 em 155
Pedrinho, tempo de 00:47:47, lugar 921 na geral e no seu escalão (M40), lugar 188 em 372
Agora os nosso amigos,
Zé Esperança, tempo de 01:08:33, lugar 2148 na geral e no seu escalão (VET60), lugar 152 em 155
Silvério Pinto, tempo de 45:48, lugar 776 na geral e no seu escalão (VET50), lugar 92 em 220
Pedro Esperança, tempo de 00:52:06, lugar 1312 na geral e no seu escalão (VET40), lugar 248 em 372
Pedro Rodrigues, tempo de 00:43:02, lugar 546 na geral e no seu escalão (VET45), lugar 92 em 293
Lénio Marinho, tempo de 00:51:45, lugar 1279 na geral e no seu escalão (VET60), lugar 82 em 155

Para terminar mais umas fotos de uns "brilhantes" atletas;


                                        Silvério Pinto (1724) em "excesso" de velocidade




                               Zé esperança sempre bem disposto na sua "cavalgada" final



                                           Rosa sempre com a sua alegria esfusiante


E pronto.
Voltamos ao nosso bote e encontramos o Gaio (desta vez não correu) e, amavelmente nos tirou mais uma foto,



Tivemos pena de não encontrarmos a Ângela Morais que estava inscrita mas, não compareceu.
Que se passou?

Curiosidades,
- O ano passado fizemos 00:53.17, ou seja, menos 17 segundos que este ano
- Km 10 o mais rápido a 04:59
- Pedrinho, este ano, com tempo "canhão"

E pronto.
Agora é tudo.
Bjs e abraços
MIKE
2017.dezembro




segunda-feira, 27 de novembro de 2017

A meia de Famalicão, .............. tranquila



O ano de 2017 a terminar e nós preparados para fazermos a última meia maratona deste ano.
Ora e, onde?
Famalicão.
Pertinho de casa.
Temos então.
4ª Meia maratona de Famalicão
10 horas
21K
26.novembro.2017
Assim, como de costume, alvorada bem cedinho (06H50) para podermos tomar o pequeno almoço "comme il fault".
Abalamos, trajeto rápido e já estamos a estacionar o carro no parque do supermercado "Jumbo", bem junto da partida (Avenida Brasil)
Estava frio,12 graus mas um sol acolhedor.
Depois de todos os preparativos lá fomos aquecer (bem precisávamos).
No aquecimento encontramos um colega nosso dos treinos das quartas feiras na Maia.


        Cá estamos nós com o Paulo Brás preparadíssimos para mais uma "cavalgada" de 21K

Mais umas corridinhas, alongamentos e, quando ia para entrar na caixa de partida, deu-me a volta aos intestinos e, lá fui "de foguete" para a casa de banho.
Nunca tal me tinha acontecido assim mesmo em cima da partida mas, teve de ser, como sói dizer-se "o que tem de ser, tem muita força", não é?
Pronto, coisa rapidíssima e, já estamos na caixa de partida.


                                 Na caixa de partida á espera do tiro 💣

Aí encontramos o Pedro Rodrigues também já um "habitué" destas andanças.
Dois dedos de conversa, tiro de partida sempre aparece e, aí vamos nós.


                                          Cá estamos nós logo após a partida

Andamento confortável pois isto é uma meia maratona e ainda temos muito que "dar á sapatilha".
Itinerário sempre dentro da cidade de Famalicão, fácil, plano.
Aos 5,7 km estamos a passar novamente pela partida e, deixamos a cidade.
Entramos na Estrada Nacional 206 e passamos a subir.
Não era aquela subida íngreme, não, nada disso mas, sempre a subir, subida lenta mas contínua.
Estamos no meio dos campos e de quando em vez temos um aglomerado de gente na berma a incentivar (onde havia um café e uma capela ou um cruzamento).
Siga.
Ritmo mais baixo, é evidente mas, sempre a dar-lhe.
Já estamos na Nacional 319 e, aí assisto a uma "cena" inédita: uma atleta que ia á nossa frente, vira-se para um casal que estava ao portão da sua casa (moradia) e diz: "desculpe, desculpe mas estou muito aflita para ir á casa de banho. Posso usar a sua?"
"Sim, pode vir" respondeu a dona do "palacete" abrindo logo o portão.
Esta gente simples do Norte é mesmo assim, ajuda logo quem precisa.
Uff, esta subida nunca mais acaba e, logo retas enormes que nos dão a "imagem" do que temos pela frente.
Mas, é para fazer, certo?
Então,.............. siga.
Ao Km 10 "enfio" o meu primeiro gel e, como é hábito na Runporto, abastecimentos sempre na hora certa e em abundância.
O "suplício" da subida termina logo após o Vale de S. Cosme, onde fazemos o retorno (13,5 Km de prova)
Bom, agora é fazer o percurso inverso até á meta (tínhamos acabado de subir "só" 7,8 Km).
Claro, agora temos um "empurrãozinho" pelas costas.
Siga.
Ritmo a aumentar, já estamos nos 15K
Olho para o relógio e vejo 01:27.20
Não esta mal.
Segundo gel para o meu estômago e sempre a hidratar.
Ainda temos na berma quem nos incentive e, já falta pouco.
Km 20 e , agora é dar tudo porque a meta é já ali.
Metemos a quinta velocidade e foi só "deixar ir".
Ainda ultrapassamos uns tantos e já estamos lá, bem no finalzinho.
Pronto, já tá.
Mais uma meia maratona que fica na história.



                         Na reta da meta, em bom ritmo, a terminar mais uma meia maratona

Interessante é a "dimensão" que temos agora da meia maratona.
Antes de fazermos a maratona, 21K eram muitos kilómetros e era uma prova muito "esticada".
Agora, depois de ter feito já a maratona(42K), a meia passa a ser uma prova "acessível" e que acaba depressa. 😏
Por isso, foi uma prova "calma", sem stress da distância.

Bom, finalmentes,
Terminaram 1198 atletas
Teresinha, tempo de 02:02:08, lugar 1047 da geral e no seu escalão (F55), 4º lugar em 8
Mike, tempo de 02:02:08, lugar 1048 da geral e, no seu escalão, (M60), 41º lugar em 49

Os nossos colegas/amigos:
Serafim Ramos, tempo de 01:41:22 , lugar 517 da geral
Pedro Rodrigues, tempo de 01:40:09, lugar 458 da geral
Paulo Brás, tempo de 01:41:35, lugar 418 da geral

Vencedores,
- masculino: Rui Pedro Silva com 01:06:05 (média de 03:06 min/km)
- feminino: Filomena Costa com 01:16:41 (média de 03:36 min/km)

Curiosidades,
- esta foi a 14ª meia maratona terminada e, este é o segundo melhor tempo até agora ( o nosso record está em 01:58:43)
- o Km 20 foi o mais rápido (05:05 min/km)
- últimos 230 metros á média de 04:52
- nossa média de prova: 05:45

Para terminar, uma foto do nosso amigo Serafim Ramos,


                 Aqui está o Serafim de equipamento preto e óculos de sol "avant garde" 😎

E pronto.
O ano está a terminar.
Devemos fazer mais umas duas ou três provas até lá.
Bjs e abraços

MIKE
2017.novembro






quarta-feira, 8 de novembro de 2017

A minha (nossa) primeira maratona




Tudo começou em dezembro.2016 com um mail do Pedrinho para todos nós.
Aqui vai:


From: Pedro Barros
Sent: quinta-feira, 15 de dezembro de 2016 12:07
To: 'Fernando Maia'; Teresa Maia; Helena Maia; Diogo Maia; Miguel Maia ; Susana Barbosa; Joao Teixeira
Subject: Maratona do Porto - Abertura de inscrições - Preço especial até dia 31.12.2016


Bom dia Companheiros

Ora chegou a altura das grandes decisões.
As inscrições para a Maratona do Porto de 2017 vão estar oficialmente abertas a partir de hoje e com
Preço especial ( falta confirmação do valor) até 31.12.2016.
Após esta data passam a 45,00 eur.
Como a Marmedsa tem exclusividade como nosso patrocinador J, precisa de fazer a inscrição  e queremos saber quem podemos inscrever.
Há sempre a Family Race de 15km mas isso é mesmo em ultimo caso.
Não estar preparado não é uma desculpa.  Faltam 11 Meses !!!!!!!!
TREINEM!!!!

Mal possam, p.f. informem.

Abreijos


Sim.
Aceitamos a inscrição pela Marmedsa com, práticamente um ano de antecedência.
Estaríamos preparados fisica e mentalmente para a nossa primeira maratona em novembro.2017 ?
Em agosto deste ano, "como quem não quer a coisa", iniciamos a preparação mais a sério.
Treinos cada vez mais longos o que obrigou a levantar bem cedo ao domingo para os fazer pois o início era ás 08H00 para não apanharmos muito calor.
Decidi igualmente que tinha que baixar um pouco o peso pois, 42 km sem menos uns quilinhos, ia-se notar na performance.
Vamos á maratona do Porto?
Sim, ou não?
O treino mais longo tinha sido de 30 km e estivemos bem."Só" foram 03H02 e sentimos que tínhamos energias para fazer mais uns km.
Pois é mas, a maratona não são 30 km.
São 42,195 km.
Como iriam ser os últimos 12 km?
Só lá estando iríamos saber.
Os incentivos de nossos amigos e colegas foram muitos e, a decisão foi tomada.
Sim, vamos.
Sábado, 4 de novembro já andava um pouco nervoso.
Tanto andava que até "apanhei" uma diarreia (seria por isso?) e, lá tive que, á pressa, correr para a farmácia para tomar o medicamento milagroso para me restabelecer.
Preparativos feitos logo no sábado para o que iríamos levar.
Aqui vai;

                             Tudo preparado de véspera para que nada falte

Como é habitual, não dormi, dormitei apenas.
Alvorada ás 06H15
Peso-me: 74,7 kg (em agosto pesava 78kg).
Pequeno almoço reforçado pois uma grande empreitada nos esperava.
Teresinha, Mike e Pedrinho preparados para correrem a maratona.
André pela primeira vez nos ia acompanhar pois Diogo estava impossibilitado de correr e André corria a Family Race (15km) com o dorsal dele.
Leninha, vinda de uma lesão também ia correr os 15 km
Siga.
Atracamos, como de costume, na Vilarinha.
Rumamos ao Queimódromo e deparamos logo ali, na Circunvalação com o João Lima que vinha de Lisboa também para correr a maratona.
Foi a oportunidade de o conhecer pessoalmente, logo ali, coisa rápida pois estava focado na empreitada em que me tinha metido.
Entregamos os nossos sacos de roupa no guarda-roupa.
Entretanto a equipa Marmedsa estava reunida.
Aqui vai,

                                  A equipa Marmedsa completa, pronta para "dar á perna"

Despedimo-nos do André e da Leninha e lá fomos aquecer em direção á Anémona.
"Tropecamos" logo em gente conhecida.
Aqui vai uma foto com uma delas,

                                           
                           A Rosa sempre alegre e preparada para mais uma maratona

Vamos para a caixa de partida.
Meia hora antes da partida eu e Teresinha já tínhamos comido uma barra energética.
Ufffff.......... agora já cá estou.
Não posso fugir.
É para fazer mesmo.
Ah, tínhamos então:
14ª Maratona do Porto
42,195 km
12 graus de temperatura
9 horas
Sol "envergonhado"
O que nos esperava,

                                        Eram "só" estes 42 km que nos esperavam  😛


Tudo pronto?
Yes.
Partida.
Aí vamos nós.


                                         Partida, simplesmente,.................. espetacular !

Castelo do Queijo
Subir a Avenida da Boavista
Tranquilos
Ritmo confortável porque isto ainda nem começou
Matosinhos
Ponte móvel
Já estamos a voltar
9 km e mais uma barra energética para dentro.
Tranquilos
10 km em 01:01:32
Fácil
Pedrinho fazia em 00:54:39
Chegados ao Castelo do Queijo (aos 12 km) tínhamos aí a separação de quem fazia a maratona (seguia pela Avenida Brasil) e daqueles que só faziam os 15 km (iam pela Avenida da Boavista).
Aí pensei o mesmo que o Diogo o ano passado: "ora bem, a maratona começou agora".
Siga.
Ia bem, mesmo muito bem.
Hidratar sempre, muito mais que em outra qualquer prova.
Tudo controlado e dentro do ritmo estipulado.
Fluvial, 15 km já eram e chegamos á Alfandega.
20 km, tempo de 02:04:21
Pedrinho em 01:51:52
Nesse abastecimento paramos para "sacarmos" gomos de laranjas que sabem pela vida.
Siga.
Sentia-me mesmo bem.
Não custa nada.
Ribeira
Emblemática Ribeira.



                       Aqui vamos nós na Ribeira com um solzinho já a "queimar"



                                                   Pedrinho seguia "na boa"

Muita gente a apoiar (o que ajuda sempre), e estamos na Ponte D.Luiz.
Lado de lá
Gaia.
Já lá estamos.
Já nos cruzamos com os atletas que já tinham ido á Afurada.
Flor, Pedrinho, Mário Soares, Maria Ricardo e outros, cruzam connosco e damos gritos de incentivo.
Teresinha já tinha dito: "tenho de ir á casa de banho"
Eu também já estava com vontade.
"Ok, vamos no abastecimento dos 25 km", digo eu.
Afurada, volta e, lá está o abastecimento á nossa espera.
Paramos.
Teresinha tinha, na sua cabine de WC, uma fila de 3 atletas.
Tem de esperar, tem de ser.
Aliviamos a bexiga (que alívio) e abastecemos (bem) especialmente de gomos de laranja que tão bem sabem.
Siga.
Siga pela sombra pois agora apanhávamos sombrinha o que também muito ajuda ao esforço.
Cais de Gaia e subidinha para a Ponte D. Luiz
Aí, nessa subida, já senti que as forças já não eram a mesma coisa.
Adiante.
Ao sair da Ponte, virar á direita para o Freixo.
Não se pode virar já á esquerda para a meta?
Oh,............ custa mesmo!
Estamos nos 30 km
Tempo: 03:15:14
Nada mal, diria mesmo, normal.
Tempo como tínhamos feito no treino (como tinhamos parado nos abastecimentos o tempo era igual ao treino).
Pedrinho tinha passado aqui em 02:48:33
Muita gente aqui a incentivar.
Próximo abastecimento antes da volta no Freixo.
Páro para me abastecer.
Retomo.
Ah, já sinto que a partir dos 30 km as coisas já não são a mesma coisa.
Passamos pelo João Lima.
Ia  a recuperar.
Incentivo-o a nos acompanhar.
Responde:" não, tenho de descansar um pouco, vão vocês"
Vamos.


       Mas que imagem !   A nossa cidade é mesmo linda !!! E os atletas parecem pontinhos 😁

Já estamos no túnel da Ribeira.
Música não falta
Ai, mas o que é que me está a acontecer?
Dói-me alguma coisa?
Pernas ?
Costas?
Músculos?
Nada, nada me dói.
Então, que se passa comigo?
Ohhhh, .....estou a ficar sem forças.
Só isso.
Entretanto Pedrinho, que ia á nossa frente, também teve problemas aqui.
As caibras começaram a apoquentá-lo e teve que receber assistência na ambulância da Cruz Vermelha.
Spray prás perninhas,
Bom, Alfandega e estamos no abastecimento dos 35 km no Museu do Carro Electrico.
Páro no abastecimento.
Como uns gomos de laranja.
Aquele suminho sabe pela vida.
Bebo isotónico.
Respiro fundo.
É pra seguir?
É.
Pois é.
Mas, ainda falta tanto!
Continuo,.......  devagarinho.
Pastelão.
Teresinha incentiva-me.
Bem preciso.
Entretanto, aqui já Pedrinho esteve a alongar com a ajuda de uns estrangeiros que lhe deram apoio.
Ponte Arrábida.
Corro e ando, corro e ando.
Não saio disto.
Teresinha: "Só faltam 5 km"
"Tantos", digo eu em sofrimento.
O corpo diz-me: "atira-te para o chão e dorme".
A cabeça diz-me: "não, agora não vais desistir. Vais até ao fim. Lembra-te do esforço que fizeste até aqui e das pessoas que tens á tua espera na meta"
No bolso esquerdo levava o telemóvel e no direito barras energéticas e gel.
Não os tinha sentido até aqui.
Agora, até parecia que levava dois tijolos em cada lado!
Meto o piloto automático.
Vou, devagar, mas vou.
Entretanto Pedrinho anda com as caibras "ás costas".
Não o largam.
No Castelo da Foz, é assistido por um outro atleta e, há falta de spray, molha as pernas com água.
Entramos na Avenida Brasil.
Olho lá para o fundo e até parece que estou no deserto do Sara.
Isto não tem fim?
40 km em 04:39:33
Pedrinho tinha aqui passado em 04:08:35
Um vento forte, fortíssimo, de frente.
Só me faltava mais esta!
Não tenho sorte nenhuma.
Siga.
Tem de ser.
Edifício Transparente.
Já falta pouco.
Vai.
Pareço um autómato.
Subida para o Queimódromo.
Agora terreno plano.
A querida Mascote salta a barreira e coloca-se ao nosso lado para terminar connosco.
Vou buscar forças ao fundo do poço.
Disse, forças?
Onde estavam?
Aqui foi a alma que fez mexer as pernas.
Familiares a amigos a gritarem por nós.
Falta pouco.
Já tàààà.
Já TÀÁÁÁÁÁÁÁ.


                                            Os últimos metros da nossa primeira maratona 💪


Pedrinho, o mais bem preparado de todos nós (hoje teve azar com as caibras), já tinha cortado a meta também na companhia da Mascote.


                                         Pai (com dores nos gémeos) e filha, a cortarem a meta

Ufffff, estou exausto.
Mesmo.
Teresinha diz-me. "Não querias morrer sem fazer uma maratona. Pronto, já tá feita".
É verdade.
Desportivamente já posso morrer.
O que senti?
Não sei explicar.
Não é de escrever.
É de sentir mesmo e, as emoções não têm tradução.
Vivem-se.
Uma coisa eu sei: vieram-me as lágrimas aos olhos.
Já sou um maratonista!
Uhauuuuuuuu !
Mesmo.
Medalha, saco e estamos no meio de abraços e beijos de quem realmente gostamos.
A medalha foi excelente.
Única.
Épica.
Mas, a nossa grande medalha, neste dia, foi outra bem maior.
Foi mesmo.
A verdadeira medalha foi o carinho de quem esteva ali á nossa espera.
Não há dinheiro no mundo que pague isso.
Aqui vão as fotos.


               Os nossos queridos filhos, a nossa querida nóvel filha (grávida) e,................... nós 💙


                     A minha querida irmã, o "rato" querido Diogo e,........... nós 💙


      Os nosso queridos amigos FS e João que fazem mts km de,.... carro e ............... nós 💙


             As nossas queridas amigas Maskote e Miss Simpatia, o amigão  Pedrinho e, ... nós 💙



                A grande maratonista Teresinha rodeada pelos seus queridos filhos 💙💙




                                     Os maratonistas medalhados,........ os maiores ! 💪💪💪

Estava ali com sorriso nos lábios mas estava completamente exausto.
Completamente.
Até vomitar me deu vontade.
Ah, também encontramos, novamente o João Lima,


                                     Os três orgulhosos com elas, .......... as medalhas 😤

Ainda exausto, digo ao João Lima:" Não faço mais nenhuma maratona. É muito"
João, do" alto" da sua experiência responde". "Mike, isso é agora, amanhã já estás a pensar na próxima"
É isso mesmo.
É verdade.
Ou seja. sou um grande MENTIROSO.
Hoje, já penso nisso.
A próxima será para o ano.
Local do crime: Porto, novembro de 2018 espera por nós.
Tem de ser.💪
E pronto.
Viemos para casa (Diogo fez de uber e "pilotou" o bote)
Peso-me: 72,4 KG
Nesta prova perdi 2,3 kg
Realmente tive um surpresa; pensava que ia ficar cheio de dores, dificuldade em andar mas, nada disso, aliás eu e Teresinha ficamos ótimos.
Agora, cansado?
Ui, se fiquei!
Demais.
Passei toda a tarde de domingo na horizontal.
Então, descansamos no domingo e na segunda feira (metemos um dia de férias), estávamos a tratar das nossas perninhas.
Não acreditam?
Vamos lá ver,


                    Pimentinha, mãos de fada, a tratar das perninhas da Teresinha



                                         Mike também teve direito a massagem
               

Antes dos "finalmente" queria registar as inúmeras mensagens que recebemos antes e depois da prova dos nossos bons amigos que muito prezamos.

Então, os finalmentes,

Concluiram a prova 4530 atletas
Teresinha, tempo de 04:58:52, lugar 4173 da geral e no seu escalão (F55), lugar 20 em 27
Mike, tempo de 04:58:52, lugar 4174 na geral e no seu escalão (M60), lugar 161 em 188
Pedrinho, tempo de 04:25:09, lugar 3365 na geral e no seu escalão (M40) lugar 734 em 907

Os outros atletas Marmedsa,
Carlos Oliveira, tempo de 04:12:40, lugar 2825 na geral
Roberto Dias, tempo de 04:12:40, lugar 2828 na geral
Hélder Rafael, tempo de 04:14:44, lugar 2927 na geral

Agora os nossos amigos das corridas,
Daniel Mota, tempo de 03:21:57, lugar 601 na geral
Flor Madureira, tempo de 03:56:26, lugar 2068 na geral
Maria Ricardo, tempo de 04.19:51, lugar 3243 na geral
Rosa Costa, tempo de 05:38:52, lugar 4458 na geral
Serafim Ramos, tempo de 03:45:43, lugar 1583 na geral
João Lima, tempo de 05:16:04; lugar 4361 na geral

Vencedores,
Masculino: Jackson Limo (Quénia) com 02:11:34
Melhor português: Daniel Pinheiro, 2º lugar com 02:17:57
Feminino: Mónica Jackoech (Quénia) com 02.26:58 (record da prova)
Melhor portuguesa: Carla Salomé com 02:30:58

Curiosidade:
Este ano na maratona estiveram presentes 1436 estrangeiros o que equivale a 32% dos atletas


Agora umas palavrinhas finais para a Family Race.
André e Leninha foram os dignos representantes nesta prova de 15 km que acompanha a maratona desde o início até ao Castelo do Queijo.
Aí os da Family Race sobem a Av. da Boavista e terminam no Queimódromo.
Leninha, a contas com uma lesão e, em recuperação, decide correr 15 km quanto, até aqui, nos últimos treinos tinha feito apenas 7 km
André, esse "foguete das Maninhos", desta vez, deixou a prancha de surf e fez-nos companhia nestas andanças das corridas.
Pois bem, estiveram os dois em grande.
André, não está de modas e faz os 15 km a uma média de 04:24 minutos/km ! e, segundo ele, só a partir dos 8km de prova conseguiu correr á vontade pois, até aí, o "transito" era enorme e passava a vida a andar ás curvas
Ui,....... este surfista voa !
Leninha, como é seu timbre, aguenta firme os 15k e pouco mais faz que o ano passado.


                      O "foguete dos Maninhos", em 5ª velocidade em frente ao Castelo do Queijo



                                  Leninha concentradíssima, também no Castelo do Queijo



                                     Titi e André orgulhosos com as suas medalhas 💪


Os nossos amigos Esperanças também estiveram presentes na Family Race.


                          Zé Esperança sempre em grande estilo

Bom, "finalmente" desta prova:
Concluiram a prova 2842 atletas
André Maia, tempo de 01:05:56, lugar186 da geral e no seu escalão (M20), lugar 56 em 428
Leninha, tempo de 01:35:24, lugar 2191 da geral e no seu escalão (F35), lugar 422 em 707
Zé Esperança tempo de 01:49:05
Pedro Esperança, tempo de 01:23:27
Helena Esperança tempo de 01:51:50


Uffff...
Isto foi mesmo uma maratona; para quem escreve e para quem lê !
Bjs e abraços
MIKE
2017.novembro